quinta-feira, 30 de junho de 2011

Não sei se sei o que eu não sei



Não sei se sou eu que não sei planejar, ou se são meus planos que nunca dão certo.
Não sei se as coisas acontecem por ordem do destino, ou por acaso.
Não sei se não entendo as pessoas, ou se são elas que não me entendem.
Não sei se são as chances que estão contra nós, ou se estamos por ai a fim de sobreviver.
Não sei o que sinto, ou se são meus sentimentos que são soltos.
Não sei as causas, ou quais serão as consequências.
Não sei por que o bater de asas de uma borboleta faz o vento virar violência, ou se é apenas o caos.
Não sei se há realmente medidas, ou se são apenas limitações pra não sermos inatingíveis.
Não sei se o tempo é relativo, ou se o centro do universo é qualquer lugar.
Não sei se faz sentido o que eu escrevo, ou se faz sentido ficar lendo.
Não sei se sei o que eu não sei.

Aldeny Rodrigues.

sábado, 25 de junho de 2011

A Fábula

Engenheiros do Hawaii

Composição: Versão: Humberto Gessinger


Era uma vez um planeta mecânico

Lógico, onde ninguém tinha dúvidas

Havia nome pra tudo e para tudo uma explicação
Até o pôr-do-sol sobre o mar era uma gráfico
Adivinhar o futuro não era coisa de mágico
Era um hábito burocrático, sempre igual
Explicar emoções não era coisa ridícula
Havia críticos e métodos práticos
Cá pra nós, tudo era muito chato
Era tudo tão sensato, difícil de agüentar
Todos nós sabíamos decor
Como tudo começou e como iria terminar
Mas de uma hora pra outra
Tudo que era tão sólido desabou, no final de um século
Raios de sol na madrugada de um sábado radical
Foi a pá de cal, tão legal
Não sei mais de onde foi que eu vim
Por que é que estou aqui
E para onde devo ir
Cá pra nós, é bem melhor assim
Desconhecer o início e ignorar o fim
Da fábula







quinta-feira, 23 de junho de 2011

O silêncio de uma palavra



É como se tudo começasse e não tivesse mais fim, relativo ao tempo, ou ao silêncio de uma palavra. Por exemplo: como quando você diz que algo é pra sempre, é como se não precisasse de uma narração, porque o observado e quem prática a ação é você, então não precisa de narração, porque você é o personagem principal. Não ser literal é o que faz a beleza das coisas, do fato.

É como tentar narrar algo que nunca aconteceu, ou como imaginar algo que estar pra acontecer, mas você nunca faz o algo que você imaginou tudo sempre muda. E a narração principal acaba sendo a aleatoriedade dos fatos, não precisa ser literal.  

É como se as coisas apenas se encaixassem, é como retirar os mais diversos sons do silêncio, as coisas simplesmente acontecem. Desfrute. 

Aldeny Rodrigues.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Nosso tempo



Não sei se queria poder ver o futuro, não teria graça de viver o que você já conhece, porque o que nos mantém vivos são os fracassos que nos ajudam a ter força para obter o sucesso. Nós queremos apenas amar e mudar as coisas, seria a luta imperceptível que travamos para amar e para “mudar o futuro”, entre aspas porque temos que ser um pouco mágicos para saber o que vai acontecer, mas com o tempo a vida nos obriga a fazer disso um hábito, burocrático sempre igual. Por isso basta apenas saber viver o presente sem enlouquecer muito com o futuro. 

“Não sei mais de onde foi que eu vim, por que é que estou aqui e para onde devo ir cá pra nós, é bem melhor assim desconhecer o início e ignorar o fim.” (The Logical Song - Supertramp - versão: Humberto Gessinger)


Aldeny Rodrigues.

domingo, 19 de junho de 2011

Medo, coragem ou amor?


O que te faz pular no vazio sem pensar duas vezes? O que te leva às experiências mais loucas? O que te faz acreditar em algo que você nunca viu? O que faz ter medo do que você não conhece e mesmo assim, talvez, continuar? O que te da coragem pra viver, apesar de todos os problemas? O que te faz ter vícios, virtudes e amor?
Talvez as coisas apenas aconteçam, como: ter medo de alguma coisa, mas amar algo mais ainda para poder ter a coragem de enfrentá-la.
Aí você poderia chamar o algo de vício, virtude ou amor.

Aldeny Rodrigues.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Escuridão


Como muitas coisas o escuro é algo que pode imprimir vários significados, um beijo no escuro, ou ficar sozinho no escuro. Escuridão me leva a solidão é como se eu pensasse em ficar sozinho apenas de pensar no escuro, é como apagar a luz pra ouvir melhor.  Na escuridão tudo fica mais fácil de perder, é como se você estivesse sozinho, e é bem pior pra quem não sabe perder, mas é só pensar como se fosse um sonho, basta apenas perder o medo da escuridão, da solidão.

Aldeny Rodrigues.

Eduardo e Mônica - Legião Urbana

Eu achei que ficou muito foda, mereceu postar.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Dúvidas



Não tenho o que falar, as dúvidas me consumiram aos poucos até estar totalmente em mim. E agora? Tenho dúvidas do real e do irreal... Afinal o que quer dizer isso?

Momentos vividos, passados e que ainda chegarão... Tenho medo, pois sempre o meu passado insistiu em aparecer no meu presente e estragar o meu futuro. Tenho dúvidas. Elas me segam impedindo-me de vê oportunidades, brechas nas quais eu poderia sair... Idéias ocultas nas quais eu não consigo desperta-las. Medo... Medo? De muitas coisas, mais o pior deles é não sair dessa escuridão. 

Não sei em que mundo eu estou, se é o real ou se é uma simples ilusão, mas não quero descobrir isso agora a vida me mostrara aos poucos....

Por que as dúvidas existem ? 
R =  Porque o mundo é movido pelas Perguntas (ou dúvidas), e não pelas respostas... E quando você pensa que sabe todas as respostas... O mundo gira e muda todas as perguntas...

( Biah Ingrid )

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Talvez porque.


Talvez porque o fato de você odiar alguma coisa é o que faz você amá-la, talvez porque alguma coisa faça você poder ser você mesmo, e talvez porque o passageiro sombrio que você trás, que te reterá é destruído com garoas de prazer que algo te trás. Porque talvez não seja necessário entender o que passa fora porque tudo acontece dentro. Porque talvez você não tenha a limitação de viver apenas o que possível. Porque algo pode acreditar que você é um anjo. E talvez porque você queira amar algo pra sempre, mesmo que sempre não exista.


Aldeny Rodrigues

terça-feira, 14 de junho de 2011

Radar




Eu tenho medo do que é novo, não gosto de entrar em coisas que não conheço, não consigo andar sem um radar, a desorientação me assombra. Tenho que ter sempre o controle. Porque tenho medo de viver o que não entendo, tenho que ter a garantia ou pelo menos a ilusão que entendo.

 Aldeny Rodrigues

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Pensamento


Minha força está na solidão. Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem de grandes ventanias soltas, pois eu também sou o escuro da noite.
Clarice Lispector